14 de maio de 2011

Educação no Brasil: até quando será para a ignorância?

Um livro de português distribuído pelo Ministério da Educação (MEC) para quase meio milhão de alunos defende que a maneira como as pessoas usam a língua deixe de ser classificada como certa ou errada e passe a ser considerada adequada ou inadequada, dependendo da situação.

A defesa de que o aluno não precisa seguir algumas regras da gramática para falar de forma correta está na página 14 do livro “Por uma vida melhor”. O Ministério da Educação aprovou o livro para o ensino da língua portuguesa a jovens e adultos nas escolas públicas.
Ele apresenta a frase: "Os livro ilustrado mais interessante estão emprestado", com a explicação: "Na variedade popular, basta que a palavra ‘os’ esteja no plural". "A língua portuguesa admite esta construção".
A orientação aos alunos continua na página 15: "Mas eu posso falar 'os livro'?". E a resposta dos autores: "Claro que pode. Mas com uma ressalva, ‘dependendo da situação a pessoa corre o risco de ser vítima de preconceito linguístico’”.
Heloísa Ramos, uma das autoras do livro, disse que a intenção é mostrar que o conceito de correto e incorreto deve ser substituído pela ideia de uso adequado e inadequado da língua. Uso que varia conforme a situação. Ela afirma que não se aprende o português culto decorando regras ou procurando o significado de palavras no dicionário.
“O ensino que a gente defende e quer da língua é um ensino bastante plural, com diferentes gêneros textuais, com diferentes práticas, diferentes situações de comunicação para que essa desenvoltura linguística aconteça”, declarou ela.
O Ministério da Educação informou em nota que o livro “Por uma vida melhor” foi aprovado porque estimula a formação de cidadãos capazes de usar a língua com flexibilidade. Segundo o MEC, é preciso se livrar do mito de que existe apenas uma forma certa de falar e que a escrita deve ser o espelho da fala.
O Ministério da Educação disse que a escola deve propiciar aos alunos jovens e adultos um ambiente acolhedor no qual suas variedades linguísticas sejam valorizadas e respeitadas, para que os alunos tenham segurança para expressar a "sua voz".
A doutora em sociolinguística Raquel Dettoni concorda que é preciso respeitar o falar popular, que não pode ser discriminado. Mas ela enfatiza que a escola tem um objetivo maior, que é ensinar a língua portuguesa que está nas gramáticas.
Se a escola negligencia em relação a este conhecimento, o aluno terá eternamente uma lacuna quando ele precisar fazer uso disso no seu desempenho social. Nós não podemos desconsiderar que a função social da escola, com relação ao ensino de língua portuguesa, é - em princípio - prioritariamente ensinar os usos de uma norma mais culta”, destacou.
O Ministério da Educação informou ainda que a norma culta da língua portuguesa será sempre a exigida nas provas e avaliações.

Matéria exibida no Jornal Nacional (TV Globo), no dia 13 de maio de 2011.

Não posso deixar de comentar. Especialmente porque temos presenciado (infelizmente de forma passiva) uma degradação da educação no país. Destaca-se, cada vez mais, o interesse pela ignorância e pela falta de criticidade.
Não pode fazer fazer da escola a transmissão de formas "populares", uma vez que nossa língua exige conhecimento para sua devida utilização, especialmente na escrita.
Não sou contrário à aceitação do popular, ainda mais quando faz parte da cultura e tradição. Porém, nossos ambientes escolares devem ser lugar de crescimento e amadurecimento, não de retrocesso.
Entendo que existe certa diferença quanto à comunicação verbal e escrita. Justamente por isso defendo que, na transmissão da Língua Portuguesa entre alunos, é preciso educar para a forma culta.
Nossas crianças precisam ser estimuladas para a dignidade e a verdade, não para a escravidão da ignorância.

fr. Giorgio, scj


Assista ao vídeo sobre a matéria, como foi exibida na TV:

video

Leia também as explicações da autora. Clique aqui >>

Nenhum comentário: